Distribuidores

Refrigeradores Frost-Free

modelos refrigeradores refrigeração comercial

Saiba o que existe de diferente nos modelos usados na refrigeração comercial

Nesta edição, vamos falar sobre os refrigeradores frost-free para uso comercial. É a segunda matéria de uma série que começou tratando dos modelos domésticos.

Vamos recordar brevemente o que é um refrigerador frost-free: é um modelo que conta com sistema de degelo automático (Leia + sobre esse tema).

Por ser mais divulgado para o público em geral como um fator de diferenciação, pode parecer que esse recurso é usado apenas em refrigeração doméstica. Mas ele também é comum em equipamentos de refrigeração comercial.

Nos sistemas de refrigeração comercial, existe um maior potencial de formação de gelo por causa da abertura mais frequente das portas. Pense nos equipamentos presentes em bares, padarias ou supermercados. Eles são manuseados todos os dias por dezenas de pessoas, que muitas vezes os mantêm abertos por bastante tempo para a escolha do produto.

Em sistemas sem porta – como as ilhas de refrigeração –, esse potencial de formação de gelo é ainda maior. Isso porque a umidade presente no ar em volta deles não tem nenhum bloqueio à sua entrada no sistema.

Enquanto nos refrigeradores frost-free domésticos o sistema de degelo utiliza sempre resistências elétricas que aquecem a região com acúmulo de gelo, nos sistemas comerciais essa é apenas uma das formas utilizadas para eliminar o gelo acumulado.

Nos expositores de cerveja, por exemplo, o sistema usado é bem parecido com o de refrigeração doméstica: resistências ligadas a um sensor de temperatura, que são acionadas por um timer, derretendo toda a camada de gelo que se forma na superfície do evaporador.

Já os expositores desenvolvidos para bebidas que não precisam estar tão geladas (como água) nem precisam da resistência elétrica. Só o ciclo normal do compressor já é o suficiente para derreter o gelo. Não há degelo forçado com o uso de resistência. Mas se trata de um sistema frost-free, pois conta com dreno e bandeja e não precisa ser desligado periodicamente para o degelo.

Uma tecnologia que não existe para os refrigeradores domésticos e é utilizada nos comerciais é o chamado degelo por gás quente (o gás, nesse caso, é o fluido refrigerante).

Esse recurso está presente em sistemas maiores, como as grandes ilhas refrigeradas de supermercados ou os expositores de cervejas de maior porte.

Com essa tecnologia, o fluido refrigerante passa mais quente pelo evaporador, evitando que o gelo se acumule ali. O degelo é mais eficiente do que nos casos em que são usadas resistências, porque ocorre diretamente no evaporador. (No caso das resistências, elas não ficam no evaporador, e sim próximas a ele, o que reduz a sua eficiência).

Para o degelo por gás quente, é necessária uma válvula direcional na saída do condensador. Acionada por um timer, essa válvula faz com que o fluido refrigerante passe da saída do condensador direto para o evaporador, sem passar pelo elemento de controle (dispositivo de expansão), que o resfriaria.

Em relação ao consumo de energia, o degelo por gás quente pode trazer vantagens. Há um pico do uso de energia para aquecer o fluido (na forma gasosa), mas o sistema como um todo consome menos, se comparado com aqueles que utilizam resistência elétrica (que são acionadas por mais tempo).

O degelo por gás quente tem vantagens, mas é preciso estar atento aos seus possíveis impactos. Enquanto a resistência pode ser usada com vários modelos de compressores, sem provocar nenhum impacto no projeto do sistema, o gás quente exige um compressor mais robusto (como os modelos da família NTU da Embraco). Além disso, o sistema precisa estar bem balanceado, para evitar que o fluxo do compressor suba muito – o que gera risco de danificar a válvula do compressor.

Os problemas mais comuns e as soluções

Como ocorre com os refrigeradores frost-free domésticos, os sistemas comerciais com essa tecnologia estão sujeitos a problemas que originam vazamentos de água e acúmulo de gelo.

O que existe de diferente, nos sistemas comerciais, são os riscos associados à tecnologia de degelo por gás quente, já mencionados: danos à válvula do compressor – que, em geral, são causados por falha no projeto do sistema (inclusive com a utilização de um compressor inadequado) e por reparos mal efetuados.

No caso de vazamento de água, no lado externo do refrigerador ou internamente, as causas e as soluções são as mesmas já relatadas para os refrigeradores frost-free domésticos.

De maneira geral, esses problemas de vazamento de água podem ser resolvidos com pequenos cuidados com a bandeja e o dreno:

  • Trocar a bandeja por uma maior, quando o ambiente é muito frio e/ou úmido e não deixa a bandeja secar antes de se iniciar um segundo ciclo de degelo;
  • Aproximar mais a bandeja do compressor, quando ela não está próxima o suficiente, retardando a evaporação da água (a água evapora por causa do calor do compressor);
  • Corrigir a posição da bandeja ou substituí-la por uma nova quando ela estiver inclinada ou rachada;
  • Reposicionar o dreno, de modo que a água do degelo deixe de cair fora da bandeja, escorrendo para o chão.
  • Desobstruir o dreno ou, se necessário, trocá-lo, para resolver o problema do acúmulo de água, causado por sujeira ou por estar comprimido.

Já o problema do acúmulo de gelo ocorre quando os ciclos de degelo não conseguem descongelar todo o evaporador. Nesses casos, geralmente o gelo obstrui as aletas do evaporador, após ter se acumulado gradualmente nelas.

É comum isso acontecer em ambientes muito quentes e úmidos. E também pela abertura muito frequente da porta do refrigerador – o que, como já dissemos, tem forte ligação com as principais utilizações de refrigeradores comerciais aos quais o público tem acesso.

Para descobrir a origem do problema, é necessário fazer uma verificação nos componentes (a lista abaixo se refere aos refrigeradores comerciais que não utilizam o sistema de degelo por gás quente). Entre os problemas que podem ocorrer, destacam-se:

  • A resistência pode estar em curto-circuito;
  • O timer não funciona da maneira correta e, por isso, o degelo demora mais do que o necessário para ser feito;
  • O sensor de temperatura não está funcionando direito;
  • O ventilador do evaporador não desliga ou trava.

Além dessas causas, que são as mais comuns, outros componentes elétricos do equipamento também podem ser a origem do problema. Por isso, é fundamental fazer uma verificação de continuidade elétrica em cada um deles. Se for constatado algo errado, substitua o componente.

Este site utiliza cookies. Ao utilizar este site você está de acordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade. Find out more